Pesquisa oficial com Brasileiro – Você votaria em Aécio? Responda clicando aqui





Aécio Neves da Cunha (Belo Horizonte, 10 de março de 1960) é um economista e político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). É Senador da República por Minas Gerais desde 2011, afastado do cargo em maio de 2017 e retornando no final de junho.[1] Foi o décimo sétimo governador do estado entre 1.º de janeiro de 2003 a 31 de março de 2010.

Natural de Belo Horizonte, Aécio é graduado em economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). É neto do ex-presidente Tancredo Neves, com quem adquiriu suas primeiras experiências políticas. Em 1987, iniciou o seu primeiro mandato como deputado federal pelo estado de Minas Gerais, exercendo o cargo até 2002, totalizando quatro mandatos. Presidiu a Câmara dos Deputados no biênio de 2001–2002, renunciando ao cargo em dezembro de 2002, para assumir o governo de Minas Gerais.[2]




Aécio foi eleito governador de Minas Gerais em 2002. Foi reeleito na eleição de 2006, tendo desta vez a maior votação já registrada no estado. Renunciou ao cargo em março de 2010 para concorrer ao senado federal, sendo substituído pelo seu vice, Antônio Anastasia. Nas eleições de 2010, foi eleito senador com a maior votação do estado, assumindo a função normalmente. Em 2013 foi escolhido presidente nacional do PSDB, e, em 2015 foi reeleito. Em 2014, foi candidato à Presidência da República por seu partido, tendo como principais adversários a candidata a reeleição, Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores (PT), e Marina Silva do Partido Socialista Brasileiro (PSB). No primeiro turno da eleição, Aécio obteve 33,55% dos votos válidos, classificando-se para o segundo turno com Dilma, que obteve 41,59%. No segundo turno, conseguiu 48,36% dos votos, perdendo para Dilma Rousseff, que reelegeu-se na eleição mais disputada da história do país.




Em 18 de maio de 2017, foi afastado do cargo de Senador pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, a pedido da Procuradoria-Geral da República(PGR). A PGR também pediu sua prisão, mas Fachin negou.[3][4]

You may also like...